almanaque silva

Ícone

histórias da ilustração portuguesa

Madame Butterfly

Sayona-San, uma enigmática japonesa, é actriz principal de um filme de confeção lusa em terras do Japão. O enredo desdobra-se simultaneamente no palco e na vida real. Sayona-San e a sua personagem Irochi-Ko, debatem-se entre o respeitoso cumprimento dos costumes ancestrais e uma paixão incontrolável pelo galã do filme, herói alado cujo hidroavião se despenhara no cais, e o operador de câmara do filme, o português Rui. A actriz mata-se no final, depois de incendiar as bobines do filme, incapaz de assumir na vida real a sua fatal paixão. A novela, publicada no Magazine Bertrand de maio de 1930, decalca a saga de Cio-Cio-San, a trágica Madame Butterfly de uma das óperas mais famosas de Puccini.

João Carlos (Ílhavo, 1899-Lisboa, 1960) ilustra aqui um texto de Celestino Gomes. Ou seja, ilustra-se a si próprio. Assinando com os apelidos Celestino Gomes foi poeta, prosador, ensaísta e divulgador científico, associado ao seu labor de médico. Assinando João Carlos foi pintor, ilustrador, xilogravador e entalhador. Iruchi-Ko é um concentrado poético e gráfico da paixão de João Carlos Celestino Gomes pela cultura oriental e revela-nos o caminho para as obras primorosas das duas décadas seguintes, como o Livro de Ester (1933), Cântico dos Cânticos (1942), Medicina na Literatura (1943) e Farsa dos Físicos ou Epigramas Médicos de Bocage (1945).

O traço sinuoso e preciso, a ausência de perspetiva e a ornamentação saturada superam o realismo e revelam a espiritualidade e o onirismo que foram todo um programa de arte e vida do ilustrador. Religioso e humanista, influenciado pelas gravuras do japonês Hokusai, pelos Primitivos de Quatrocentos, pela arte bizantina, o horror ao vazio de João Carlos construiu uma epopeia gráfica que poderia ter sido um outro retrato possível de Portugal, à margem do modernismo oficial da Política do Espírito de António Ferro e do Estado Novo.

Nota: as ilustrações foram restauradas digitalmente

Fontes:
João Carlos, por Américo Cortez Pinto, Lisboa, 1961
In Memoriam, Aveiro, 1962
João Carlos, Exposição Retrospectiva, SNI, 1964
blogdaruanove.blogs.sapo.pt

Filed under: João Carlos,

2 Responses

  1. Curioso. Faz lembrar (certamente de forma não acidental) os “XX Dessins” do Amadeo, quase vinte anos depois.

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s

Visitas

  • 373,396

Posts

%d bloggers like this: