almanaque silva

Ícone

histórias da ilustração portuguesa

Português Suave

Manuel Lapa, Revista Municipal, 1948

Pedra rusticada, cunhais e guarnições de vãos em cantaria, tetos de águas inclinadas com beirais e telha vermelha, falsas cornijas, pináculos, pilastras em varandins, arcadas e torreões de evocação medievalista com coruchéus piramidais, retirados da arquitectura dos séculos XVII e XVIII e da arquitectura tradicional, foram elementos do chamado Português Suave, estilo arquitetónico oficial dos anos quarenta portugueses. Aplicado em escolas, igrejas, palácios da justiça e bairros sociais, alastrou da arquitetura oficial para a particular, negando o moderno betão em que eram feitos os edifícios e cumprindo a demanda de uma arquitetura de sabor português já preconizada por Raul Lino desde o início do século. O Português Suave foi aplicado nos bairros do Areeiro e Alvalade em Lisboa, urbanizações inseridas no esforço iniciado por Duarte Pacheco para disciplinar a expansão da cidade, e repetidamente publicitadas na propaganda oficial, nomeadamente na revista da Câmara Municipal de Lisboa.

Em primorosas ilustrações que ornamentaram várias capas da Revista Municipal, de 1948 até 1953, erguem-se as triunfantes torres da Praça do Areeiro e da Praça de Londres com os seus emblemáticos telhados piramidais. Nos céus, um curioso plágio gráfico dado pelo avião em trânsito do vizinho aeroporto da Portela. Rosa Duarte, que ilustrou as fabulosas capas surrealistas coleção policial Escaravelho de Ouro, e Leonildo Dias, presença regular na Revista Municipal dos anos cinquenta, têm o registo mais descritivo, próximo do contexto do desenho de arquitetura. Manuel Lapa apresenta duas composições fotográficas nas quais era especialista notável, modelando perfeitamente volumes mesmo quando elementos estruturantes como portadas e janelas são simples pinceladas. Em grafismo mais atualizado e de pretensão decorativa, Sebastião Rodrigues exercita uma colagem da cidade, rebatendo planos e marcando claramente diversas tipologias arquitetónicas da Lisboa contemporânea, onde não faltam as nossas emblemáticas torres.

Português Suave 

Rusticated stonework, stone corners and ornamentation, peaked red-tiled roofs with eaves, false cornices, pinnacles, pilasters, balconies, Medieval-like vaults and turrets with pyramidal spires borrowed from the 17th– and 18th-centuries as well as traditional Portuguese architecture were some of the elements in the style of architecture favoured by the Portuguese state in the 1940s. Portuguese Suave, as the style is known, was used for schools, churches, halls of justice and social housing and spread from state construction to the private sector. It disguised the concrete used in these modern constructions and met the demand for an architecture in line with Portuguese taste that Raul Lino had already championed at the start of the century. Portuguese Suave was adopted in the Areeiro and Alvalade neighbourhoods in Lisbon. These were housing projects within the ongoing urbanisation plan that Duarte Pacheco had initiated to regulate Lisbon’s expansion and was repeatedly being promoted in state propaganda, especially the Lisbon City Hall magazine. 

Among the splendid illustrations on several Revista Municipal covers between 1948 and 1953 are the triumphant towers in Praça do Areeiro and Praça de Londres with their distinctive pyramidal rooftops. There’s a curious graphic plagiarism:  a plane flies across the sky from the nearby Portela airport. Rosa Duarte, who illustrated the fabulous surrealistic covers for the Escaravelho de Ouro detective stories collection, and Leonildo Dias, who worked regularly for the Lisbon City Hall magazine in the 1950s, had a more descriptive approach. akin to an architectural drawings. Manuel Lapa shows in two photographic compositions, of which he was a remarkable specialist, perfect shaping of volumes even when structural elements such as doorways and windows are simple brushstrokes. In his more modern and decorative graphic style, Sebastião Rodriguescreates a collage of the city with buildings on the same plane and clearly marking out different architectural typographies of a contemporary Lisbon where our esteemed towers hold pride of place. 

Leonildo Dias, Revista Municipal n.º 58, 3.º trimestre 1953

Rosa Duarte, Revista Municipal n.º 57, 2.º trimestre 1953

Manuel Lapa, Revista Municipal n.º 55 4.º trimestre 1952

Sebastião Rodrigues, Revista Municipal n.º 59, 4.º trimestre 1953

As ilustrações foram restauradas digitalmente  The illustrations were digitally restored

Fontes Sources

http://pt.wikipedia.org/wiki/Estilo_Português_Suave

http://arquitecturaen.no.sapo.pt/portuguessuave.html

Filed under: Leonildo Dias, Manuel Lapa, Sebastião Rodrigues, , , ,

One Response

  1. Eduardo Carvalho diz:

    Muito bom!!! Para quando uma grande retrospectiva no MUD (ou outro local)?
    Fica a sugestão…

Deixar uma resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

WordPress.com Logo

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Log Out / Modificar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Log Out / Modificar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Log Out / Modificar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Log Out / Modificar )

Connecting to %s

Visitas

  • 305,157

Posts

Seguir

Get every new post delivered to your Inbox.

Junte-se a 1.073 outros seguidores

%d bloggers like this: