almanaque silva

Ícone

histórias da ilustração portuguesa

Obsessão

Incansáveis mocetões de um metro e noventa e estonteantes louras, morenas e ruivas, naturalmente insaciáveis, dedicam-se a praticar sexo fácil em novelas com sugestivos títulos como O Insaciável, O Obcecado e O Violador. Publicados em 1965, eram livros sem editora, escritos por Roy Harvey e apresentados por Sum Marky, pseudónimos de José Ferreira Marques (1921-2003), autor de outras prosas light da colecção, branco nascido em São Tomé e autor de um apreciado Vila Flogá, de 1963, libelo acusatório do colonialismo na antiga colónia portuguesa. Tanta clandestinidade servia uma literatura popular, claramente apontada à líbido masculina e ao mito, tão excitante quanto assustador, da voracidade sexual feminina. Acautelando o olho vigilante da censura, Sum Marky prefaciou os três volumes nas exíguas badanas, exaltando o proveitoso exemplo destes pedaços sórdidos de uma América corrupta, racista e depravada. Nas capas dos três livros, Maria do Céu Guimarães e Castro (1930-), mulher de Ferreira Marques, desenhou capitosas beldades em poses sugestivas fazendo tábua rasa das leis da perspetiva, ousando enquadramentos a que só mão virtuosa se atreveria. Se o erotismo ingénuo da prosa e o traço amador das louras não nos provoca particular entusiasmo sensorial, saliente-se a competência geral do design, da composição à paleta cromática, com fundos intensamente vermelhos, pontuados por constrastados verdes e violetas ou complementados com sedutores tons de carne. Os sessenta foram anos gloriosos da ilustração editorial portuguesa. Virtuosos designers, pintores e arquitetos esbanjaram talento em milhares de livros de editoras de referência como a Portugália, a Ulisseia, a Estúdios Cor e a Livros do Brasil. As suas ilustrações são reconhecidas pela marca pessoal, pelo traço sofisticado, a perspetiva disciplinada, sinais de uma erudição alicerçada nos movimentos estéticos do seu tempo e de um profundo entendimento das técnicas de impressão. Mas a rudeza e ingenuidade das capas de Maria do Céu, são também uma outra metáfora gráfica e ganham uma modernidade surpreendente, agora que o desenho informal e descritivo voltou à ilustração.

Obsession

Indefatigable six-foot-two young men and dazzling blondes, brunettes and redheads, insatiable in their turn, enjoy casual sex in novels with suggestive titles such as The Insatiable, The Obsessed and The Rapist. These books came out in 1965 sans publisher or translator but written by a Roy Harvey and introduced by a Sum Marky, pseudonyms of José Ferreira Marques (1921-2003), who wrote other rather steamy tales for the collection. A white Portuguese born in São Tomé, he was the author of the admired Vila Flogá, a diatribe of a book that came out in 1963 and pointed an accusing finger at colonialism in the former Portuguese colony. The clandestine nature of these books only promoted a genre that was clearly aimed to appeal to men’s libido and the myth, as exciting as it’s frightening, of women’s sexual voracity. Ever wary of the regime’s censors, Sum Marky’s introductions to these three books on the narrow inside flaps of their dust covers applauded the invaluable examples set by the sordid aspects of corrupt, racist and depraved America. On the covers themselves, an anonymous illustrator drew top-heavy beauties in alluring poses doing away with the laws of perspective in ways that only a skilled hand would dare attempt. While the naïvely erotic writing and the amateurish drawings of blondes fail to stir any sensorial enthusiasm, the general design competence should be noted as should the colourful compositions with backgrounds in intense shades of red, enhanced by contrasting greens and violets or complemented by seductive flesh tints. The sixties were glorious years in Portuguese editorial illustration. Virtuoso designers, painters and architects poured their talent into thousands of books brought out by leading publishers such as Portugália, Ulisseia, Estúdios Cor and Livros do Brasil. Their illustrations are recognizable because of their personal stamp, sophisticated drawing style and disciplined perspective; work undertaken with great knowledge rooted in the aesthetic movements of the time and a deep understanding of printing techniques. But the coarse naivety of Roy Harvey’s covers has become another graphic metaphor and surprisingly Modernist now that informal, descriptive drawing has returned to illustration.

As ilustrações foram restauradas digitalmente The illustrations were digitally restored

Filed under: Maria do Céu Guimarães e Castro, , ,

4 Responses

  1. Jose Marques diz:

    O ilustrador é … uma ilustradora, é viva e tem 82 anos…é a minha mãe e o José Ferreira Marques, o meu pai

  2. Rogério Maciel diz:

    Muitos parabéns José Marques !

  3. E desde o aniversario dela, o 24 de Junho, casou com o engenheiro naval holandes
    Dirck Meurs, filho adoptivo do escritor/poeta flamengo Jef Hinderdael.

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s

Visitas

  • 373,446

Posts

%d bloggers like this: