almanaque silva

Ícone

histórias da ilustração portuguesa

Balada das Vinte Meninas

A História dos livros ilustrados para crianças tem momentos assim. Incrivelmente simples, sem aparatos de capa dura, formato gigantone ou a estafada quadricromia de offset. Estamos em 1977. Balada das Vinte Meninas, uma deliciosa historinha em verso de Matilde Rosa Araújo, fala-nos de voláteis criaturas que vêm e vão ao sabor das estações, sem nunca mencionar o seu verdadeiro nome. A história era já velha de vinte anos e tinha sido publicada em conjunto mais largo de poemas em 1957, n’ O Livro da Tila, com o nome mais comprido de Balada das Vinte Meninas Friorentas. Tão simples e belo texto haveria de chegar, incorrupto, às mãos do escritor António Torrado e da sua miniatural Colecção Caracol, sob a chancela da Editora Plátano. Para este livrinho modesto de 16 páginas e capa mole em tamanho que não chegava ao A5, Torrado apostou numa jovem estudante de artes plásticas da escola ArCo e desafia-a para o seu primeiro livro ilustrado. Cristina Malaquias (Queluz, 1955) tinha os mesmos vinte anos da história e do título, e ilustrou a encomenda em marcador de feltro e caneta Rotring, mistura exótica para os dias de hoje mas corrente nos setentas. Cristina usou uma repetitiva cadência de planos, constantes no enquadramento e na escala das sete ilustrações do livro. O marcador em cor laranja lavra faixas que sugerem horizontes longínquos e beirais próximos, onde as frágeis avezinhas, ora pra cá ora pra lá, se afadigam em seus afazeres domésticos, traçadas em sintético preto e branco. O Tempo é senhor desta história. A primavera a começa, o outono a acaba. E Cristina sublinha bem a sua passagem pela sequência de flores, frutos e ramos nus da árvore em primeiro plano e ainda pelo natural desenvolvimento da prole: as vinte meninas vão multiplicar-se para oitenta. O minimalismo, que olhar descuidado acusaria de preguiça, sincronizou-se à natural cadência do poema e a economia narrativa e gráfica acabou por conferir ao livro passaporte para a eternidade e um marco dificilmente ultrapassável na prolífica carreira da ilustradora. Cristina Malaquias haveria de colaborar muitos outros volumes da Caracol, como Croá, de 1979, história sem texto da sua autoria, cujas ilustrações seriam selecionadas para a Bienal de Bratislava de 1981. E em 87 integrou a Exposição de Ilustradores da Feira de Bolonha, com ilustrações do livro Ovelha Negra.

Já lhes disse que as vinte meninas eram andorinhas?

Balada das Vinte Meninas

There have occasionally been instances like this in the history of children’s illustrated books, when results are incredibly simple with no need for classy hard covers, an extra large format or tedious four-colour offset.  The year is 1977 and Balada das Vinte Meninas [Ballad of the Twenty Young Girls] is a delightful story told in verse by Matilde Rosa Araújo of winged creatures that are never named but come and go depending on the season.  So simple and beautiful a text was bound to fall, unchanged, into the hands of the writer António Torrado and his mini Colecção Caracol, which was run by Editora Plátano.  Torrado asked a young student still at the Ar.Co art school to rise to the occasion and work on her first illustrated book, a very modest one with 16 pages and a soft cover that was even smaller than A5.  Cristina Malaquias (Queluz, 1955) was then twenty years old, the same age as the story and its title and she did the illustrations with a marker pen and a Rotring pen, a bizarre combination nowadays but common in the 1970s.  Cristina used a repetitive cadence of planes that remained the same in their framing and scale of the book’s seven illustration. The orange marker pen drew stripes that evoke remote horizons and nearby eaves where fragile little birds, drawn simply in black and white, keep flying here and there on their exhausting domestic chores.  Time is in command in this story.  It begins in spring and ends in autumn.  And Cristina highlights the passage of time with the season’s flowers and fruit, bare branches in the foreground as well as the only natural proliferation of twenty to eighty young things.  The minimalist style, which an inobservant eye might label as lazy, condenses the natural cadence of the poem, and the narrative and graphic economy issues the book with a passport to eternity and a difficult to outshine mark in the illustrator’s prolific career.  Cristina Malaquias was to work together with Colecção Caracol on many other books, such as Croá in 1979.  Her illustrations for this textless book were selected for the 1981 Bratislava Biennale.  In 1987 she took part in the Bologna Book Fair Illustrators Exhibition with illustrations from her book Ovelha Negra.

I did say that the twenty young girls were swallows, didn’t I?

Cristina Malaquias 1

Vinte meninas, não mais, 
Eu via ali no beiral:
Tinham cabecinha preta
E branquinho o avental.
 
Vinte meninas, não mais,
Eu via naquele muro:
Tinham cabecinha preta,
Vestidinho azul escuro.
 
Vinte meninas, não mais,
Na torre acima de tudo:
Tinham cabecinha preta,
e capinha de veludo.
 
Vinte meninas, não mais,
No alto da ramaria:
Tinham cabecinha preta,
Peúga de fantasia.

Cristina Malaquias 2

As minhas vinte meninas,
Capinhas dizendo adeus,
Chegaram na Primavera
A acenaram lá dos céus.
 
As minhas vinte meninas
Dormiam quentes num ninho
Feito de amor e de terra,
Feito de lama e carinho.

Cristina Malaquias 3

As minhas vinte meninas
Para o almoço e o jantar
Tinham coisas pequeninas,
Que apanhavam pelo ar.
 
As minhas vinte meninas
Com roupinha de cotio,
Chegaram na Primavera
Pois vinham fugindo ao frio

Cristina Malaquias 4

Já passou a Primavera
Suas horas pequeninas:
E houve um milagre nos ninhos.
Pois foram mães, as meninas!
 
Eram ovos redondinhos
Que apetecia beijar:
Ovos que continham vidas
E asinhas para voar.
 
Já não são vinte meninas
Que a luz do Sol acalenta.
São muitas mais! muitas mais!
Não são vinte, são oitenta!
 
Depois oitenta meninas
Eu via ali no beiral:
Tinham cabecinha preta
E branquinho o avental.

Cristina Malaquias 5

Depois oitenta meninas
Eu via naquele muro:
Tinham cabecinha preta,
Vestidinho azul escuro.
 
Depois oitenta meninas
No alto da ramaria:
Tinham cabecinha preta,
Peúga de fantasia.

Cristina Malaquias 6

Mas as oitenta meninas,
Capinhas dizendo adeus,
Em certo dia de Outono
Perderam-se pelos céus.
 
Depois oitenta meninas
Na torre acima de tudo:
Tinham cabecinha preta,
e capinha de veludo.

Cristina Malaquias 7

E as minhas tantas meninas
Lá voaram, uma a uma:
E eu fiquei cheia de frio
E não voltou mais nenhuma…

Cristina Malaquias capa
Bibliografia
http://estremoznet.blogspot.pt/2010/04/chegou-primavera.html

Filed under: Cristina Malaquias, , ,

One Response

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s

Visitas

  • 373,396

Posts

%d bloggers like this: