almanaque silva

Ícone

histórias da ilustração portuguesa

O Senhor Xis

N.º 23, O táxi amarelo, Patrick Quentin, 1953

Em 1950 saía uma nova coleção de romances policiais, a Xis, da Editorial Minerva. O primeiro número, Um crime branco, de James Marcus, era na realidade escrito por dois autores portugueses, J. P. Fernandes e A. Fernandes, creditados no livro como tradutores. Para uma ilusão perfeita, a editora inventou mesmo um título original para o romance: White Murder. Sem abandonar o policial dedutivo inglês, a Xis vulgarizou o policial negro americano, género dominante em coleções posteriores. Havia um traço comum entre as mais emblemáticas coleções policiais de bolso iniciadas nos últimos anos de 40. A Escaravelho de Ouro, também em 1950, a popularíssima Vampiro e a Xis iniciaram-se sob a influência gráfica do Surrealismo. Cândido Costa Pinto, figura de topo do movimento surrealista, pontificava nas famosas capas da Vampiro e da Argonauta (lendária coleção de ficção científica) ambas da editora Livros do Brasil.

Fiel à tradição pictórica, a ilustração surrealista era um compósito de várias pedaços  do enredo, ora descritivos ora metafóricos, assumindo o cariz de um enigma ilustrado. O surrealismo gráfico nobilitou o subestimado género policial e substituia as capas das coleções mais antigas, onde a figuração do crime de sangue era geralmente explícita. Edmundo Muge (Abrantes, 1925-Lisboa, 1984), foi capista habitual da Minerva em coleções de variados géneros e ilustrou a Xis durante 202 volumes. Casarões sinistros, máscaras humanas de puro terror e objetos vulgares combinam-se numa inquietante charada, que no volume O táxi amarelo, de 1953, é literalmente o pesadelo recorrente da protagonista e motor do enredo. O surrealismo de Muge desvaneceu-se ao longo da década e, passada a primeira centena de títulos, em 1958, fixa-se numa mais convencional figuração narrativa. Após um interregno de 13 anos, a coleção voltaria em 1986, numa segunda série a começar no número 203, mantendo o antigo grafismo e ilustrações do novíssimo Jorge Colombo. Extinguiu-se de vez ao número 210, em 1993.

N.º 1, Um crime branco, James Marcus, 1950

N.º 3, O mistério da gaiola de oiro, Samuel Spewack, 1950

N.º 5, Os sete ratinhos, Carol Kendall, 1951

N.º 6, Dois tiros de pistola, W. P. Givern, 1951

N.º 8, Morte entre amigos, Lange Lewis, 1951

N.º 9, Crime impune, Edgar Wallace, 1951

N.º 30, Sangue azul, Mignon Eberhart, 1954

N.º 33, A gata persa, Alessandro Varaldo, 1954

Fontes
Crimes de bolso, texto de Luís Miguel Queirós, Pública, jornal Público, 12 setembro 2010
O caso do policial português, catálogo, org. Luís Sá e Manuela Rego, Câmara Municipal de Lisboa, 1998

Filed under: Coleção Xis, Edmundo Muge, ,

Publicidade ilustrada

Index

Index de ilustradores em que a listagem da obra e bibliografia, embora tendencialmente exaustivas, não são raisonée. É um work in progress onde todas as contribuições são bem-vindas.

Visitas

  • 402,590

Posts