almanaque silva

Ícone

histórias da ilustração portuguesa

Tóssan, o Magnífico Reitor

medicina veterinária 1939

Livro de Curso, Medicina Veterinária, Coimbra, 1939

Naquele tempo um quilo de fiambre – que vinha dentro de uma lata – custava trinta escudos. Internado no Sanatório de Covões, Tóssan cansava-se facilmente da monótona comida do hospital. Quando os estudantes apareciam para ele os caricaturar, à razão de 30 escudos cada, um moço amigo dizia-lhe: «Tóssan, vêm aí 30 latas de fiambre!». À tradição dos Livros de Curso, inventada na longínqua Queima das Fitas de 1903, aplica-se Tóssan, apurando os narizes dos estudantes das academias de Coimbra e Lisboa a partir de 1938 e, em 1944, tira olhos e acrescenta ângulos agudos nos quartanistas do Curso de Medicina, replicando o acerto dos caricaturistas modernos da década anterior, como Teixeira Cabral. António Fernando dos Santos, Tóssan (Vila Real de Santo António, 1918 – Lisboa, 1991) brilha facilmente nos Livros de Curso onde colabora, praticamente nunca se cruzando com outros habitués profissionais, como Baltazar ou José Vilhena. Centenas de caricaturas traçadas ao longo de duas décadas vão academizando o seu traço, refém das inúmeras cumplicidades que vai tecendo na cidade, bem à vista nos amáveis perfis para as quartanistas de Letras de Coimbra de 1953, suas colegas no TEUC.

coimbra ciências 1944

Livro de Curso, Ciências, Coimbra, 1944

zimbro323 ok

zimbro324 ok

zimbro326

zimbro327

Livro de Curso, Medicina, Coimbra, 1944

zimbro315 ok

zimbro316 ok

zimbro318 ok

zimbro320

Livro de Curso, Letras, Coimbra, 1953

 

quartanista direito

Livro de Curso, Direito, Coimbra, 1952

.

Depois das andanças iniciais pelo Teatro Lethes de Faro, o apego de Tóssan ao palco frutificou em Coimbra, ocupando de 1947 a 1966 as funções de cenógrafo e caracterizador  do TEUC, Teatro dos Estudantes da Universidade de Coimbra. O percurso escolar de Tóssan tinha-se finado pelo Liceu de Faro. A sua fixação em Coimbra abre-lhe as portas da Academia mas sempre longe das salas de aula. Os tempos de boémia estudantil, onde o não-estudante Tóssan encaixava perfeitamente, podem ser recordados no livro O Teatro dos Estudantes de Coimbra no Brasil,uma extensa tournée do TEUC em que as peripécias começaram logo na viagem a bordo do paquete Serpa Pinto, ou na memória (traiçoeira, é certo, trocando uma parede pelo teto), de Augusto Camacho, cantador de fados e serenatas, futuro doutor em medicina desportiva, a propósito da pintura Ceia dos Loucos na República Palácio da Loucura: «Desembrulhados das nossas capas e de copo na mão, parámos à porta da sala de jantar e ali ficámos de olhos abertos, quase não acreditando no que víamos: o Tóssan, empoleirado lá no alto, em cima de um tabuleiro feito de cadeiras, tábuas e caixotes, qual Miguel Ângelo inspirado na sua Capela Sistina, pintava com desaforo e sem preconceitos, o tecto dessa dependência, ou seja, o Ministério dos Bons Usos e Costumes – a Sala de Jantar –. E vejam lá, de pincel na mão saltavam pinceladas a encarnado, amarelo, preto, lilás e azul, salpicando o teto de ideias sublimes traduzidas numa Ceia de Loucos, ou não fosse a república o Palácio da Loucura. E assim ia desenhando, pintando a todo o comprimento e largura as figuras das empregadas que voavam com as travessas enormes em equilíbrio milagroso donde esvoaçavam frangos depenados e de bico aberto e das quais ia caindo o spaghetti feito de massas, desenhando cifrões.»

vitral TEUC

Auto da Barca do Inferno, cartaz, TEUC, 1951

teuc no brasil

O Teatro dos Estudantes de Coimbra no Brasil, Santos Simões, TEUC, 1952

IMG_8926 1952

Ceia dos Loucos, República Palácio da Loucura, Coimbra, 1952

.

Pela sua espantosa vitalidade e exuberância, Tóssan tornou-se uma referência lendária na cidade, cúmplice também das tertúlias dos movimentos literários que frutificavam à volta da Universidade, como o Neo-Realismo, ou no emocionante convívio com os escritores estrangeiros que aportavam a Coimbra, como os brasileiros Agrippino Grieco e José Lins do Rego. A meia dúzia de traços capaz de imortalizar um rosto, seria uma das suas marcas, visível também em posteriores retratos de escritores portugueses, como José Régio, ou em amigos e mestres, como o carismático criador do TEUC Paulo Quintela. O mais célebre de todos retrata seu amigo António Aleixo, traçado logo em 1943, que terá coincidido com a estadia de ambos no Sanatório de Covões e onde também encontrou Manuela, enfermeira e sobrinha do diretor do hospital, companheira e cúmplice de toda a sua vida futura.

agrippino grieco 22x13,5 1952

Agrippino Grieco, folheto, 1952

josé lins do rego ok

José Lins do Rego, folheto, 1951

paulo quintela retrato B

Paulo Quintela, marcador sobre papel, 1986

josé régio

José Régio, marcador e grafite sobre papel, sem data

antónio aleixo 29x22,5 gr

António Aleixo, grafite sobre papel, 1943

foto covões

Tóssan, Manuela e António Aleixo no Sanatório de Covões, sem data

.

Fontes
Tóssan, Festa da Ilustração, Setúbal 2018 / Casa do Design Matosinhos, 2018

Agradecimentos
Fundação António Aleixo (retrato do poeta)
José Pereira Gens
Miguel Gouveia (fotografia d’A Ceia dos Loucos)
Norberto Correia (Livro de Curso Medicina Veterinária 1939)
Rui Sena

Filed under: Tóssan, , ,

Tóssan, o rei da selva

macacão

Animais, Esses Desconhecidos

Suspiram elefantes apaixonados, ronronam inquietos leões e cabriolam humaníssimos macacos, na tumultuosa selva de António Fernando dos Santos, Tóssan (Vila Real de Santo António, 1918 – Lisboa, 1991), que enfileira na galeria dos nossos grandes ilustradores animalistas. Se a bicharada eleita por Tóssan enchia uma Arca de Noé, este trio de selvagens é bastante repetente na obra do ilustrador dedicada às crianças. Para elas ilustrou quatro livros a meio da década de sessenta: A Coelhinha do Rabito de Algodão, de Erskine Caldwell, o Gil Vicente Para Crianças e uma compilação de crónicas de Maria Helena da Costa Dias da sua rubrica «Animais, Esses Desconhecidos», publicadas no Juvenil, suplemento do Diário de Lisboa, onde Tóssan recicla a preto a bicharada das bicromias pessimamente estampadas no jornal, em pincelada dura, sem meias tintas. Estas pedagógicas curiosidades sobre o reino animal trazem já o selo inconfundível de um caricaturista nado e criado nas centenas de perfis de estudantes, impressos nos livros de curso das academias de Coimbra e Lisboa nas duas décadas anteriores. Pela mesma data aparece O Leão Heitor, de Camille Mirepoix, em generoso formato e papel couché, na editora Portugália. Aqui o investimento ilustrado é outro, e o resultado, magnífico, de resto, elogiado pela autora do texto. O Leão Heitor, o Gil Vicente Para Crianças, e ainda as ilustrações para dois contos da Revistinha de Natal, suplemento da revista Brasil, de 1962, são da mesma colheita, com figuração geometrizada a modelar formas e volumes, em suves gradações tonais, receita que não era exclusiva de Tóssan, como o provam livros de João da Câmara Leme na mesma época).

1959.07.25 juv 116 um conce na floresta rec

Animais, Esses Desconhecidos, Juvenil, Diário de Lisboa, 1958

zimbro399 ok

zimbro393 ok

zimbro387 ok

zimbro395 ok

camille mirepoix carta

O Leão Heitor, Portugália Editora, 1965

brasil selva

O Macaco Mágico, José Lins do Rego, revista Brasil, dezembro de 1961

O 25 de Abril traz de novo Tóssan às crianças. Aos 55 anos e com a tranquilidade de um emprego, proporcionado pelas editora Terra Livre, no ministério da Comunicação Social, Tóssan inicia uma fulgurante série de 16 livros, dos quais 13 com o seu amigo de infância Leonel Neves, publicados regularmente ao longo de uma década. Começa em 1975 com A Amizade Bate à Porta, de Sidónio Muralha, O Leão Vegetariano, de Madalena Gomes e, já com Leonel Neves, Bichos de Trazer Por Casa e Sete Contos de Espantar, para as editoras Comuna e Atlântida. Tóssan deixa cair as artificiosas geometrias da década anterior e o traço vai afinando pelo estilo cartunesco que proliferava na ilustração e na publicidade dos anos setenta. A partir de O Elefante e a Pulga, de 1976, (e também para o Velho, o Rapaz e o Burro, de Curvo Semedo, de 1978), Tóssan dá-nos uma pureza linear, aqui e ali salpicada de aquosas tintas, e uma paginação desenvolta, cúmplice da escrita ritmada de Leonel e das aliterações, acrósticos e lengalengas que Tóssan também praticava nos seus poemas absurdos e satíricos. Para lém do O Elefante e a Pulga, as selvas africanas fazem-se representar n’Uma Dúzia de Adivinhas, de 1981, e no espantoso O Livrinho dos Macacos, de 1978, cuja capa repete a exuberante (e graficamente virtuosa) família de «macacos, macacões e macaquinhos» das páginas centrais do livro. A zombaria da Lógica Zoológica, crónica escrita e desenhada por Tóssan, impressa no jornal humorístico o bisnau, de 1983, teve registos mais exuberantes, num zodíaco decorativo que marcou animais domésticos e, mais uma vez, o inevitável primo macaco. (ver Zoo-lógica)

.

Tóssan, King of the Jungle

Amorous elephants sigh, restless lions purr and very humanlike monkeys frolic in the rowdy jungle that António Fernando dos Santos, Tóssan (Vila Real de Santo António, 1918 – Lisbon, 1991) included in the gallery of our leading animal illustrators. If creatures chosen by Tóssan would fill Noah’s ark, this trio of wild beasts was to recur frequently in his illustrations for children. He did four books for them in the mid-1960s: ‘Molly Cottontail’ by Erskine Caldwell, ‘Gil Vicente Para Crianças’ and a collection of stories that Maria Helena da Costa Dias wrote for her Animais, Esses Desconhecidospieces in Juvenil, a Diário de Lisboa supplement, for which Tóssan recycled in black, with decisive bold strokes, his two-colour illustrations that had been poorly reproduced in the newspaper. These educational curiosities about the animal kingdom was already revealing the unmistakeable stamp of a caricaturist born and bred in the hundreds of profiles he drew for Coimbra and Lisbon academic course books twenty years before. Meanwhile, Portugália Publishers brought out O Leão Heitor’ by Camille Mirepoix in a generous format with couche paper. This was of a different order of investment and the magnificent result was praised by the author. ‘O Leão Heitor’,  ‘Gil Vicente Para Crianças’ as well as illustrations for two short stories in ‘Revistinha de Natal’, a Brazil magazine supplement in 1962, belong to the same period. Their geometric figures form shapes and volume in softly gradient tones, a style not exclusive to Tóssan as can be seen in João Câmara Leme’s books of the time.

The 25th April revolution brought Tóssan back to work for youngsters. At the age of 55 and with the stability of a job with Terra Livre Publishers at the Ministry of Social Communication, Tóssan began an astonishing series of 16 books, 13 of which he worked on with his childhood friend, Leonel Neves, and which were regularly published for ten years. In 1975, he began ‘A Amizade Bate à Porta’ by Sidónio Muralha, ‘O Leão Vegetariano’ by Madalena Gomes and with Leonel Neves, ‘Bichos de Trazer Por Casa’ and ‘Sete Contos de Espantar’ for the Comuna and Atlântida Publishing Houses. Tóssan abandoned his geometric style of the previous decade for the more cartoon-like drawing line that became widespread in illustrations and publicity in the 1970s. Starting with ‘O Elefante e a Pulga’ in 1976, (and also ‘O Velho, o Rapaz e o Burro’ by Curvo Semedo, 1978), Tóssan produced a clean line with a spattering of watercolour here and there, and a ingenious layout to fit Leonel’s rhythmic writing as well as the alliterations, word puzzles and nonsense verse that Tóssan himself created in his farcical and satirical poetry. Apart from ‘O Elefante e a Pulga’, African jungles re-appear in ‘Uma dúzia de Advinhas’ in 1981 and the amazing ‘O Livrinho do Macacos’ in 1981 with a cover that echoes the boisterous (and graphically virtuoso) family of ‘monkeys, big and small’ in the book’s central pages. The mockery in ‘Lógica Zoológica’, written and illustrated by Tóssan for the humour magazine ‘o bisnau’ in 1983, showed more high-spirits in a decorative zodiac with domestic animals, and once more, the inevitable monkey cousin. (See Zoo-lógica)

vegetariano 1

vegetariano 2

o leão vegetariano - macaco

O Leão Vegetariano, Madalena Gomes, Atlântida, 1975

elefante 3 29x34

elefante 1 36,5x25,5

O Elefante e a Pulga, Leonel Neves, Livros Horizonte, 1976, tinta da china sobre papel

macacos 01 rec

macaco astronauta

O Livrinho dos Macacos, Livros Horizonte, 1978

elefante 34x45 marc+guache

macaco 26,5x37,5 m

«O Elefante» e «O Macaco», o bisnau, 1983, marcador e guache sobre papel

Fontes
Tóssan, Festa da Ilustração, Setúbal 2018 / Casa do Design Matosinhos, 2018

Agradecimentos
José Pereira Gens, A. M. Marques Neves e Rui Sena

 

Filed under: Tóssan,

Tóssan ao sábado

juv 00000b - 23.04.1957

Eusébio Maldonado, o mundialmente famoso detetive Pararraios, dava a cara, e o seu inseparável funil, para antecipar as suas estapafúrdias aventuras no Diário de Lisboa, numa campanha que se prolongou pela segunda quinzena de abril de 1957. O diário vespertino anunciava assim um novo suplemento semanal, o Diário de Lisboa Juvenil, a sair ao sábado. Ao leme estavam os jornalistas Augusto Dias, Mário Castrim e o ilustrador Tóssan (António Fernando dos Santos, Vila Real de Santo António, 1918 – Lisboa, 1991). A colaboração de Tóssan foi intensa nos primeiros quatro anos do suplemento, com centenas de ilustrações desdobradas em múltiplos registos, acabando por contagiar o Magazine, miscelânea cultural vizinha do Juvenil.

Embora partilhasse a colaboração ilustrada com António Domingues, primeiro, e Figueiredo Sobral, nos anos finais, Tóssan imprimiu o seu cunho ao Juvenil, desenhando cabeçalhos de rubricas e ilustrações que recheavam as séries de continuação. Destacam-se desde logo as aventuras do Pararraios e do seu ajudante Basílio Sopito, e as crónicas da escritora Maria Helena da Costa Dias, «Animais, esses desconhecidos», reunidas em livro na década seguinte, em álbum cartonado da editora Portugália. A oito anos dos seus primeiros livros para crianças, Tóssan ilustrava alguns dos poemas de Castrim, alegorias humanistas que cumpriam a vocação do Diário de Lisboa para a dissidência política com o regime totalitário do Estado Novo.

A versatilidade gráfica de Tósssan não ficou imune à influência de grandes ilustradores do seu tempo, como José de Lemos, artista residente no rival Diário Popular, ou Maria Keil, no traço cinético dos seus primeiros livros. Sem o mesmo apuro gráfico destes registos, Tóssan despachou algumas rubricas de longa duração, como «Os Cavaleiros da Távola Redonda» numa aproximação à linearidade desenhada das revistas infanto-juvenis e, nas ilustrações sortidas para as crónicas curtas «Flash» e «Apontamentos para os tempos futuros», de Diógenes e Manuel Agra, Tóssan alternava o picaresco que o celebrizou com o modernismo poético à maneira de Lemos ou mesmo o neorrealismo rude que praticara nos anos quarenta.

.

Tóssan on Saturday

Eusébio Maldonado, the world famous detective Pararraios, was all set to start living some crazy adventures together with his inseparable funnel in the Diário de Lisboa, as announced in this newspaper’s advertising campaign to the end of April 1957. This morning daily was promoting its new Saturday supplement, Diário de Lisboa Juvenil. At its helm were the journalists Augusto Dias and Mário Castrim, and the illustrator Tóssan (António Fernando dos Santos, Vila Real de Santo António, 1918 – Lisboa, 1991). Tóssan made a great contribution to the children’s supplement’s first four years with a wide variety of illustrations that ended up influencing Magazine, a cultural miscellany for youngsters akin to Juvenil.

Although Tóssan did the illustrations in collaboration with António Domingues at first, and in the final years with Figueiredo Sobral, he left his imprint on Juvenile with his headers for captions and illustrations that filled the serialisations. The adventures of Pararraios and his sidekick, Basílio Sopito, were an immediate success as were the ‘Animais, esses desconhecidos’ articles by Maria Helena da Costa Dias, which Portugália Publishers brought out in hardback the following decade. Eight years after his first children’s book illustrations, Tóssan started to illustrate a few of Castrim’s poems, humanist allegories that conformed to Diário de Lisboa’s mission to dissent from the Estado Novo’s totalitarian regime.

Tóssan’s versatility was not immune to the influence of his contemporary foremost illustrators, such as José de Lemos, who was working at the rival Diário Popular, and Maria Keil and the kinetic drawings in her first books. Though lacking their more refined graphic style, Tóssan still completed some long-term work such as in ‘The Knights of the Round Table’ in which his style approached the graphic linearity in children and teenagers magazines. In his varied illustrations for the short ‘Flash’ and ‘Notes on Future Times’ pieces by Diógenes and Manuel Agra, Tóssan would alternate the picaresque, which distinguished him in poetic modernism in a manner similar to Lemos, with the rougher neorealism that he had employed in the 1940s.

juvenil cabeçalho

juv 35 - 04.01.1958

DL25

«O Grande Detective Pararraios  — O Fugitivo do Saturnia», Diário de Lisboa Juvenil, 19 de abril de 1958

juv 45 - 08.03.1958

«O Grande Detective Pararraios — Em busca das pérolas», Diário de Lisboa Juvenil,     8 de março de 1958

DL33

DL13

gente nossa + cruzadas

Disco da Semana, Gente Nossa, O Livro da Semana, Palavras Cruzadas, Diário de Lisboa Juvenil, 1957-1960

1959.05.16 mag 45 um espír de equi c poucos

«Um espírito de equipa como poucos», Diógenes, Diário de Lisboa Juvenil, 16 de maio de 1959

1959.05.30 mag 47 solidão Ai dão, Ai dão

«Solidão ai dão, ai dão», Diógenes, Diário de Lisboa Juvenil, 30 de maio de 1959

1959.06.06 mag x os sebastianistas

«Os sebastianistas», Diógenes, Diário de Lisboa Magazine6 de junho de 1959

1959.06.27 mag 51 os teddy-boys de cab bran

«Os teddy boys», Diógenes, Diário de Lisboa Juvenil, 27 de junho de 1959

1959.10.17 mag 66 a mul é ig ao hom?

«A mulher é igual ao homem?» Henri Crespi, Diário de Lisboa Juvenil, 17 de outubro de 1959

1960.01.02 mag 77 mud os t mud as vont

«Mudam-se os tempos mudam-se as vontades», Augusto da Costa Dias. Diário de Lisboa Juvenil, 2 de janeiro de 1960

DL12

«Flash — O balão não rebenta», Manuel Agra, Diário de Lisboa Juvenil, 4 de abril de 1959

DL28

DL27

«Caracol», Mário Castrim, Diário de Lisboa Juvenil, 22 de março de 1958

1960.01.09 mag 78 haja resp pel cria_1

«Haja respeito pelas crianças», Maria Helena da Costa Dias, Diário de Lisboa Juvenil, 9 de janeiro de 1960

1959.06.06 mag x flores de plástico

«Flores de plástico», Mário Castrim. Diário de Lisboa Magazine, 6 de junho de 1959

espelho ok

«A ópera de Paris», Gilbert Cesbron, Diário de Lisboa Juvenil, 27 de agosto de 1960

DL17

«Anúncio», Francisco José Fernandes, Diário de Lisboa Juvenil, 29 de novembro de 1958

DL15

«Avó», Mário Castrim, Diário de Lisboa Juvenil, 20 de setembro de 1958

DL14

«Flash — O barco chega», Manuel Agra, Diário de Lisboa Juvenil, 17 de janeiro de 1959

DL11

«O alcoolismo não é um vício é uma doença»Diário de Lisboa Juvenil, 2 de julho de 1960

As ilustrações foram restauradas digitalmente.

Fonte do texto: Tóssan, Jorge Silva. Editora Arranha-Céus, 2018

Filed under: Tóssan, ,

Zoo-lógica

 

Tóssan carneiro

Chegou a declamar a sátira O Futebol no famoso programa de televisão ZIP-ZIP, em 1969. Dele disseram Raul Solnado e Mário Viegas que “poderia ter sido um homem do humor” e o maior ator cómico da segunda metade do século. Viegas, velho amigo, levou ao palco em 1991 textos seus inéditos, num espetáculo a que deu o nome de Tótó. Mas se a carreira de palco lhe passou ao lado (foi, ainda assim, cenógrafo e caraterizador no TEUC) António Fernando dos Santos, Tóssan (Vila Real de Santo António, 1918-Lisboa, 1991) deixou no papel estimável obra humorística. Foi um notável ilustrador de animais, emparceirando no seu tempo com outros virtuosos animalistas como Zé Manel e o lendário Fernando Bento. Tinha notória predileção por alguma bicharada, a começar pelos cães, sobre os quais publicou o curioso Cão pêndio, em 1959, na editora Portugália, coletânea de trocadilhos fáceis e difíceis sobre a vida canina. Ou pelos elefantes e leões, habitués das duas dezenas de livros ilustrados para crianças que nos deixou. Em dois álbuns ilustrados, O Leão Heitor, da Editora Portugália de meados de 60, e O Leão Vegetariano, da Editora Atlântida, de 1975, Tóssan relata amáveis histórias onde o rei dos animais renega a sua natureza carniceira, ao sabor dos ventos pacifistas daqueles anos. Mas a comicidade atingiu o auge na Livros Horizonte, em 1978, com O Livrinho dos Macacos, do escritor Leonel Neves, com quem Tóssan teve prolífica parceria durante os anos setenta e oitenta.

“Ao burro sobra em orelhas o que lhe falta em miolos. A meio da espinha tem a albarda e, ao fundo, uma cauda e um buraco por onde sai a burrice ou o borrão.” Assim iniciava Tóssan a primeira de 22 crónicas, de seu nome Lógica Zoológica, ilustradas e estampadas n’o bisnau, jornal semanário de humor, editado pelo grupo de O Jornal em 1983. Humorista por inteiro, Tóssan ridicularizava o Homo lusus à custa de criaturas de quatro patas e assestava uns valentes coices na politiquice da época. Os animais retratados são quase todos domésticos e a sua cumplicidade com o bicho-homem aguça a zombaria, espelho eterno da estupidez humana. O Zoo privativo de Tóssan n’o bisnau afastava-se da organicidade e corrosão do traço de Artur Henriques, Vasco, Serer ou Barradas, outros cartunistas residentes do jornal e caprichava no desenho a compasso e régua em geometrias e contorcionismos decorativos, muito a propósito das aliterações do floreado texto. Estes bizarros animais, que não custaria ver em generosas aplicações murais, são a apoteose da erudição formal que Tóssan requintou ao longo de três décadas, num sofisticado artesanato urbano com raiz nos intemporais motivos ornamentais da arte popular.

Tóssan burro

Tóssan coelho

Tóssan canguru

Tóssan cágado

Tóssan sapo

Filed under: Tóssan, ,

Publicidade ilustrada

Index

Index de ilustradores em que a listagem da obra e bibliografia, embora tendencialmente exaustivas, não são raisonée. É um work in progress onde todas as contribuições são bem-vindas.

Visitas

  • 457.823

Posts