almanaque silva

Ícone

histórias da ilustração portuguesa

Tóssan, o Magnífico Reitor

medicina veterinária 1939

Livro de Curso, Medicina Veterinária, Coimbra, 1939

Naquele tempo um quilo de fiambre – que vinha dentro de uma lata – custava trinta escudos. Internado no Sanatório de Covões, Tóssan cansava-se facilmente da monótona comida do hospital. Quando os estudantes apareciam para ele os caricaturar, à razão de 30 escudos cada, um moço amigo dizia-lhe: «Tóssan, vêm aí 30 latas de fiambre!». À tradição dos Livros de Curso, inventada na longínqua Queima das Fitas de 1903, aplica-se Tóssan, apurando os narizes dos estudantes das academias de Coimbra e Lisboa a partir de 1938 e, em 1944, tira olhos e acrescenta ângulos agudos nos quartanistas do Curso de Medicina, replicando o acerto dos caricaturistas modernos da década anterior, como Teixeira Cabral. António Fernando dos Santos, Tóssan (Vila Real de Santo António, 1918 – Lisboa, 1991) brilha facilmente nos Livros de Curso onde colabora, praticamente nunca se cruzando com outros habitués profissionais, como Baltazar ou José Vilhena. Centenas de caricaturas traçadas ao longo de duas décadas vão academizando o seu traço, refém das inúmeras cumplicidades que vai tecendo na cidade, bem à vista nos amáveis perfis para as quartanistas de Letras de Coimbra de 1953, suas colegas no TEUC.

coimbra ciências 1944

Livro de Curso, Ciências, Coimbra, 1944

zimbro323 ok

zimbro324 ok

zimbro326

zimbro327

Livro de Curso, Medicina, Coimbra, 1944

zimbro315 ok

zimbro316 ok

zimbro318 ok

zimbro320

Livro de Curso, Letras, Coimbra, 1953

 

quartanista direito

Livro de Curso, Direito, Coimbra, 1952

.

Depois das andanças iniciais pelo Teatro Lethes de Faro, o apego de Tóssan ao palco frutificou em Coimbra, ocupando de 1947 a 1966 as funções de cenógrafo e caracterizador  do TEUC, Teatro dos Estudantes da Universidade de Coimbra. O percurso escolar de Tóssan tinha-se finado pelo Liceu de Faro. A sua fixação em Coimbra abre-lhe as portas da Academia mas sempre longe das salas de aula. Os tempos de boémia estudantil, onde o não-estudante Tóssan encaixava perfeitamente, podem ser recordados no livro O Teatro dos Estudantes de Coimbra no Brasil,uma extensa tournée do TEUC em que as peripécias começaram logo na viagem a bordo do paquete Serpa Pinto, ou na memória (traiçoeira, é certo, trocando uma parede pelo teto), de Augusto Camacho, cantador de fados e serenatas, futuro doutor em medicina desportiva, a propósito da pintura Ceia dos Loucos na República Palácio da Loucura: «Desembrulhados das nossas capas e de copo na mão, parámos à porta da sala de jantar e ali ficámos de olhos abertos, quase não acreditando no que víamos: o Tóssan, empoleirado lá no alto, em cima de um tabuleiro feito de cadeiras, tábuas e caixotes, qual Miguel Ângelo inspirado na sua Capela Sistina, pintava com desaforo e sem preconceitos, o tecto dessa dependência, ou seja, o Ministério dos Bons Usos e Costumes – a Sala de Jantar –. E vejam lá, de pincel na mão saltavam pinceladas a encarnado, amarelo, preto, lilás e azul, salpicando o teto de ideias sublimes traduzidas numa Ceia de Loucos, ou não fosse a república o Palácio da Loucura. E assim ia desenhando, pintando a todo o comprimento e largura as figuras das empregadas que voavam com as travessas enormes em equilíbrio milagroso donde esvoaçavam frangos depenados e de bico aberto e das quais ia caindo o spaghetti feito de massas, desenhando cifrões.»

vitral TEUC

Auto da Barca do Inferno, cartaz, TEUC, 1951

teuc no brasil

O Teatro dos Estudantes de Coimbra no Brasil, Santos Simões, TEUC, 1952

IMG_8926 1952

Ceia dos Loucos, República Palácio da Loucura, Coimbra, 1952

.

Pela sua espantosa vitalidade e exuberância, Tóssan tornou-se uma referência lendária na cidade, cúmplice também das tertúlias dos movimentos literários que frutificavam à volta da Universidade, como o Neo-Realismo, ou no emocionante convívio com os escritores estrangeiros que aportavam a Coimbra, como os brasileiros Agrippino Grieco e José Lins do Rego. A meia dúzia de traços capaz de imortalizar um rosto, seria uma das suas marcas, visível também em posteriores retratos de escritores portugueses, como José Régio, ou em amigos e mestres, como o carismático criador do TEUC Paulo Quintela. O mais célebre de todos retrata seu amigo António Aleixo, traçado logo em 1943, que terá coincidido com a estadia de ambos no Sanatório de Covões e onde também encontrou Manuela, enfermeira e sobrinha do diretor do hospital, companheira e cúmplice de toda a sua vida futura.

agrippino grieco 22x13,5 1952

Agrippino Grieco, folheto, 1952

josé lins do rego ok

José Lins do Rego, folheto, 1951

paulo quintela retrato B

Paulo Quintela, marcador sobre papel, 1986

josé régio

José Régio, marcador e grafite sobre papel, sem data

antónio aleixo 29x22,5 gr

António Aleixo, grafite sobre papel, 1943

foto covões

Tóssan, Manuela e António Aleixo no Sanatório de Covões, sem data

.

Fontes
Tóssan, Festa da Ilustração, Setúbal 2018 / Casa do Design Matosinhos, 2018

Agradecimentos
Fundação António Aleixo (retrato do poeta)
José Pereira Gens
Miguel Gouveia (fotografia d’A Ceia dos Loucos)
Norberto Correia (Livro de Curso Medicina Veterinária 1939)
Rui Sena

Filed under: Tóssan, , ,

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google photo

Está a comentar usando a sua conta Google Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s

Publicidade ilustrada

Index

Index de ilustradores em que a listagem da obra e bibliografia, embora tendencialmente exaustivas, não são raisonée. É um work in progress onde todas as contribuições são bem-vindas.

Visitas

  • 506.773

Posts

%d bloggers like this: