almanaque silva

Ícone

histórias da ilustração portuguesa

“O fotógrafo não estava lá” … e o ilustrador também não

O fotógrafo não estava lá… Mas o desenho reconstitui...” Assim começava esporádicamente em 1957 e com regularidade semanal a partir de 1961, uma rubrica sobre crimes e acidentes violentos ou bizarros no vespertino Diário Popular. Zaragatas em cafés, disputas conjugais, lobos e hipopótamos à solta, inimizades de vizinhos e a infância da mortandade rodoviária, espelhavam o Portugal rural e moralista dos anos 60. O bric-à-brac enfatizava o pitoresco do acidente, a irracionalidade animal ou a maldade atávica dos crimes de sangue. A rubrica, semanal no suplemento Sábado Popular, oferecia-se claramente como entretenimento para a emergente classe média lisboeta.

Com ilustrações de Victor Ribeiro, e a partir de Maio de 1963, com o traço mais perfeccionista de Carlos Marques, a série não resistiu à nova ordem política, e finou-se em Outubro de 1975. O registo era descritivo e sóbrio, como convinha. O ilustrador compunha a cena tomando o ponto de vista mais espetacular, com a linguagem emprestada da dinâmica narrativa da banda desenhada. Pretendendo representar uma realidade que ninguém viu, a rubrica não deixava de ser uma ficção. E um paradoxo: apesar da neutralidade do desenho, não era possível substituir a fotografia.

Sábado Popular, 4 de Maio de 1957

Sábado Popular, 7 de Novembro de 1964

Sábado Popular, 28 de Março de 1970

Sábado Popular, 27 de Maio de 1972

Sábado Popular, 24 de Junho de 1972

Sábado Popular, 15 de Fevereiro de 1964

Filed under: Carlos Marques, Victor Ribeiro,

4 Responses

  1. mendes diz:

    Sem de forma alguma menosprezar a qualidade fidedigna da expressão fotográfica, a ilustração confere um carácter único à cena: um retrato quase tão emotivo como as histórias contadas pela típica coscuvilheira, que tanto aprecia acentuar e distorcer os pormenores que mais a empolgam, mas sem dúvida, capazes de tornar qualquer cenário incrível.

  2. Daniela diz:

    Onde se podem consultar estas ilustrações? Ainda há pouco o meu pai falava que a minha tia tinha aparecido nesta rubrica devido a um acidente que teve em criança….

    • Daniela
      Largas centenas de “acidentes” saíram no suplemento Sábado Popular do jornal Diário Popular, de 1957 a 1975. Eu tenho algumas dezenas, graças a compras acidentais na Feira da Ladra, já que é raro encontrar jornais antigos em quantidade. Mas pode consultar toda a série nas Hemerotecas públicas, como a de Lisboa, no Bairro Alto. O Diário Popular está em consulta livre nesta Hemeroteca, sem qualquer burocracia.

  3. Joana Marques diz:

    Olá almanaque silva,
    Carlos Marques´era o meu querido avô. Tenho uma colecção de recortes de jornal e alguns originais. O meu avô também fez as “perguntas desnecessárias”, conhece?

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s

Visitas

  • 373,446

Posts

%d bloggers like this: